Wednesday, August 09, 2006

Proposta Curricular...uma “revolução” na escola

Hoje, dia nove do mês de agosto participei de uma Jornada Pedagógica,cujo tema me lembrou muito das nossas discussões, os assuntos eram os seguintes:Projeto Político Pedagógico ou Projeto Pedagógico? Plano de Trabalho do Docente, Plano de Ação da Escola e Proposta Curricular, que como um único tema abordou todos os outros citados.
Algumas discussões, análises, parâmetros se focaram para a própria mudança, ou seja tudo que foi comentado, criticado e argumentado se voltou para o único caminho, o currículo.Relato então de uma forma sintetizada o que ocorreu no discurso das pessoas que estavam participando( Equipe de Ensino, a CRTE e Diretores).

*Plano de aula do profesor= é o planejamento , ou seja, o que organiza o ensino-aprendizado;
*Plano de Ação da Escola= organiza e articula as ações necessárias ao funcionamento do ponto de vista da gestão escolar;
*Proposta Política Pedagógica= marco situacional, conceitual e operacional, este último é o que vai instrumentalizar, fazer acontecer;

*Proposta Curricular= é o fazer acontecer o Projeto Político Pedagógico.
A construção da Proposta Curricular sugerida pela SEED contempla:
Ementa= é o que tem a ver com o tema da disciplina e com o projeto político pedagógico, por exemplo, o que os professores pensam do ensino de portugues, matemática, artes, ciências, etc...O ementário fala da realidade escolar, as metas essenciais da disciplina, os tópicos tem que estar integrados à eles mesmos.
Objetivos = tem que estar ao alcance, palpáveis.
Conteúdos = tem que ser organizados por série e por ano, pois os acontecimentos estão em constante mudanças, não é congelado.
Metodologia = vai ser o “nó” do trabalho, tem que dizer o como ele vai alcançar os objetivos que ele colocou na ementa. Precisa trazer estratégias, são as ações pedagógicas que faz com que o aluno entenda a própria realidade.
Critérios de Avaliação = que venha de encontro com todos esses aspectos, vai dizer se aconteceu ou não. É preciso que a avaliação seja formativa, qualitativa, crítica, reflexiva.
Bibliografia= o professor deve se “apoiar” naquilo que pontue, qual o documento que vai de encontro.

Enfim.... o pensamento “pedagógico’caminha nessa direção, portanto conclui-se que a Proposta Curricular não é um “documento acabado” como muitas instituições ainda pensam.


1 comment:

Luciane S. Sato said...

OI, Elis,
Legal vc trazer aqui para dentro as discussões que estão rolando no seu âmbito profissional.:-)
Acho que em muitos aspectos existe um avanço na proposta de PPP descrita por vc nesse post. Mas, ao mesmo tempo, vejo que é uma mistura de paradigmas. Exige-se ementa da disciplina, conteúdos por série de forma (pareceu, ao menos) estanque...e ao mesmo tempo, pede-se avaliação reflexiva.
E acho que a nossa realidade é isso mesmo. Nunca teremos condições "ideais" para desenvolver um PA por ex. O que vc pensa disso? Acha que faz sentido isso que eu coloquei?
beijos, LU